Campanha Civilidade nas ruas
banner seja associado
ART

release » Disputa por engenheiros é mais acirrada no alto escalão

Data de publicação: 11/08/2014

Mesmo com todos os investimentos em infraestrutura feitos nos últimos anos pelo governo e a grande expectativa gerada com a realização de grandes eventos esportivos, a temida falta de engenheiros no mercado de m trabalho tem se confirmado apenas no alto escalão das empresas. Na opinião de diversos especialistas ouvidos pelo Valor, a previsão de que haveria um apagão de mão de obra qualificada na área não se confirmou principalmente em razão da desaceleração da economia no país.

Segundo André Freire, presidente no Brasil da multinacional de recrutamento executivo Odgers Berndtson, a dificuldade está em encontrar engenheiros civis que tenham entre 15 e 20 anos de experiência, fluência em inglês e bom trânsito corporativo. É uma demanda, por exemplo, de grandes empresas de varejo que têm se expandido nacionalmente e precisam de um diretor de obras.

"Existem profissionais muito bons tecnicamente, mas que deixam a desejar na questão do segundo idioma e em aspectos mais políticos relacionados ao negócio, como a interação com pares, superiores e outras diretorias", diz. O resultado é que o processo de seleção acaba se arrastando por meses até que o cliente abra mão de algo.

Freire diz que a procura se estende para o setor químico e para o comando da produção e das operações das companhias. Mas, ao contrário dos engenheiros civis, que passam boa parte da carreira atuando em projetos afastados dos grandes centros, esses profissionais já estão acostumados ao ambiente empresarial. "O leque de opções nesses casos é mais amplo. De todo modo, existe hoje uma resistência maior por parte deles em mudar de emprego em razão das incertezas na economia. Custa caro atrair essas pessoas."

Carlos Silva, gerente da consultoria Hay Group, concorda que o segmento de construção é um dos que mais demandam engenheiros de todos os níveis e é também um dos mais atrativos para quem decidiu seguir essa carreira. "Os que atuam no 'core business' das empresas acabam tendo um destaque em sua remuneração", afirma.Levantamento do Hay Group sobre remuneração no setor com base em novembro de 2013 mostra que o salário base de um engenheiro no nível sênior varia entre R$ 8 mil mensais na área de serviços até R$ 11.489 na construção pesada. Segundo a consultoria, o engenheiro sênior é aquele que tem no mínimo oito anos de experiência, realiza atividades de maior complexidade na área e exerce uma "liderança técnica" com outros engenheiros menos experientes.

De acordo com Silva, do Confea, o piso salarial dos engenheiros é regido pela Lei 4950-A/66, que estabelece um salário-base entre seis e nove salários mínimos, a depender da jornada de trabalho (seis ou oito horas). "Os jovens brasileiros percebem que há perspectivas de desenvolvimento e de mercado de trabalho com bons salários. Isso explica o fato de os cursos de engenharia estarem registrando uma maior concorrência no vestibular", diz.

Dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) informam que o número de matrículas em engenharia no país saltou de 192.927, em 2001, para 601.447, em 2011, superando pela primeira vez o curso de direito. O total de estudantes no curso representa 5% dos graduandos no país, enquanto na Alemanha o índice é de 16% e na Coreia do Sul, de 28%.

Fonte: Valor Econômico 

receba as novidades
agenda aeaarp
LIVE SOLIDÁRIA

12/12/2020 às 19:00

saiba mais sobre LIVE SOLIDÁRIA
Veja a agenda completa
revista painel

308 - Novembro de 2020

308 - Novembro de 2020

Veja outras edições da revista Painel



CONFEA
CREA-SP
CAU/SP
AEAARP
Rua João Penteado, 2237
Ribeirão Preto - SP
Tel.: 16 2102-1700
Whatsapp: 16 99758-0101
AEAARP

MAPA DE LOCALIZAÇÃO

MAPA DE LOCALIZAÇÃO

2020 - Todos os direitos reservdos. Associação de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto
site by: an.design criação digital