Conselho se coloca contra o PL 3081/22Imprimir conteúdo

A área tecnológica é um dos principais motores do desenvolvimento do País e está presente no dia a dia das pessoas nas suas mais variadas frentes. Devido à sua importância e, em mais uma iniciativa que tem como objetivo proteger a sociedade e defender os profissionais que se preparam para atuar em atividades que exigem conhecimentos específicos, o Crea-SP faz um alerta para a importância da regulamentação profissional.

A Regulamentação estabelece as exigências legais para o exercício profissional, coíbe a ação de leigos nas atividades e estabelece padrões de qualidade e formação técnica para o desenvolvimento de serviços, obras e projetos com qualidade e segurança que impactam na proteção de toda a sociedade, além de garantir também a segurança jurídica do profissional.

Por esse motivo, o Conselho se manifesta totalmente contra à tramitação do Projeto de Lei nº 3081/2022, que propõe a desregulamentação de profissões como a de Engenharia. A proposta alega que as profissões impactadas pela desregulamentação não oferecem risco à segurança, à saúde, à ordem pública, à incolumidade individual e patrimonial.

O Crea-SP alerta que a desregulamentação afetará diretamente a qualidade de serviços, obras e projetos que precisam ser desenvolvidos por responsáveis técnicos aptos para tal e reforça o seu comprometimento em defender os profissionais da Engenharia, conforme disposto pela Lei nº 5.194/66. Além disso, o Crea-SP segue atuante na fiscalização do exercício profissional para coibir a atuação ilegal.

“A razão de existir dos Creas é justamente fiscalizar o exercício das profissões de Engenharia para afastar leigos de atividades que requerem conhecimentos técnicos específicos e, neste ponto, a regulamentação é fundamental. Entendemos que alguns pontos da Lei nº 5.194/66 precisam ser revistos e modernizados, acompanhando assim a nova realidade do mercado, mas, para isso, precisamos de uma força política que atue efetivamente na defesa dos engenheiros. Porém, acabar com a regulamentação não é o caminho, uma vez que a sociedade e os próprios profissionais são seus os principais beneficiados”, afirma o presidente Eng. Vinicius Marchese.

Para votar contra a proposta, acesse este link e assine a petição pública on-line.

Produzido pela CDI comunicação

Publicação traz orientações técnicas sobre o assunto

A Comissão Permanente de Acessibilidade – CPA disponibilizou uma nova versão on-line da Cartilha de Acessibilidade do Crea-SP, elaborada com o objetivo de oferecer aos profissionais do Sistema, usuários e público em geral, de forma simples e prática, uma orientação para a execução correta dos dispositivos de acesso para pessoas com deficiência.

Com a elaboração da Emenda 1 pelo Comitê Brasileiro de Acessibilidade em 2020, a norma técnica ABNT NBR 9050, que discorre sobre acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos, teve alguns de seus pontos modificados, justificando a necessidade de atualização do material.

Além da Cartilha de Acessibilidade, o grupo também lançou a cartilha on-line “Habitação Segura para a Terceira Idade” voltada para esse público específico. “À medida que a população vai envelhecendo, vão surgindo algumas limitações, especialmente em relação à mobilidade das pessoas, e, da mesma forma, também se evidenciam as necessidades de adaptação nas residências para garantir a esses usuários uma existência mais segura”, ressalta a coordenadora da CPA, Eng. Civ. Vanda Maria Cavichioli Mendes Ferreira.

Produzido pela Superintendência de Comunicação do Crea-SP

Reportagem: Jornalista Perácio de Melo – ECC/GCE/SUPCOM

A Construtora Andrade Gutierrez abriu na terça-feira (23) inscrições para seu desafio de inovação, o ‘Vetor AG’. O programa abre espaço para startups criarem inovações nos setores relacionados à atividade da construtora e juntas desenvolverem soluções, reporta o Click Petróleo & Gás. Será a quinta edição do programa. Parcerias da empresa com mais de 1.500 startups viabilizaram 29 projetos em obras. As startups selecionadas poderão testar seus projetos durante seis meses em canteiros da empreiteira. As inscrições para a primeira fase de seleção vão até 25 de setembro, no site da AG.

Organizada pela diretoria de Engenharia da AEAARP, a visita técnica no último dia 11, ao ConcreteShow 2022, foi um sucesso

Em sua 13ª edição, o Concrete Show South America retornou ao modelo presencial após dois anos acontecendo apenas pela Internet. Palco para a exposição de grandes inovações em equipamentos, serviços, materiais e tecnologia de mais de 300 marcas (nacionais e internacionais), a feira ocupou — mais uma vez — o São Paulo Expo. Além disso, promoveu palestras, cursos e workshops.

"Estivemos marcando presença no Concrete Show, oportunidade de conhecer novos produtos e empresas na área, mais uma oportunidade para nossos associados adquirirem conhecimento e conhecer novos profissionais", disse o diretor de Engenharia, Marcelo Freire Monteiro. 

Mais de 300 marcas (nacionais e internacionais) apresentaram equipamentos, serviços, materiais e tecnologias. Também aconteceram palestras, cursos e workshops
 

Pesquisadores do Grupo de Ensino de Materiais Sustentáveis na Construção (Gemasc), da Universidade Federal de Santa Maria, desenvolveram uma nova forma de concreto que economiza resíduos, tornando-o mais sustentável. Nos testes realizados no laboratório, a equipe modela objetos no computador, que são confeccionados em camadas de concreto sustentável. A partir dessa modelagem, testam quantidades exatas de proporção dos materiais que compõe o concreto. As dosagens resultam em um concreto com baixo nível de resíduos, reduzindo o impacto ambiental, destaca o Click Petróleo e Gás.

Valorizar a luz natural tem sido uma tendência na construção civil. A iluminação solar leva benefícios à saúde dos moradores e garante mais sustentabilidade aos empreendimentos. Segundo o engenheiro civil Maurício Wildner da Cunha, da Construtora Andrade Ribeiro, valorizar o uso da luz natural em sido importante também no sentido estético, pois torna os ambientes mais agradáveis, destaca a Pini Web. Empreendimentos com mais entrada de iluminação natural têm sido mais procurados. Entre as características descritas pelo profissional da construção civil como tendência estão as fachadas de vidro, terraços verdes e edifícios com substituição de pavimentos de cobertura por pavimentos livres, os ‘rooftops’.

A construção civil é uma das atividades econômicas que mais têm gerado oportunidades de trabalho desde a queda acentuada na pandemia. O número de pessoas que trabalham na construção subiu 29,8% nos últimos dois anos e foi um dos responsáveis por reduzir a taxa de desemprego no País, que chegou a 9,8% em maio, destaca o Terra. A construção é o setor que mais cresceu em número de pessoas ocupadas entre maio de 2020 e maio de 2022. Em seguida, vêm o setor de alojamento e alimentação, com alta de 21,9% no número de pessoas ocupadas, e o de serviço doméstico (19,5%), segundo a Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílios (Pnad), do IBGE.

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) divulgou um novo sistema de tratamento de esgoto que pode reduzir em até 70% a concentração de compostos nitrogenados. O estudo foi feito no doutorado de Bruno Garcia Silva, em engenharia hidráulica e saneamento na Universidade de São Paulo (USP), e publicado na revista Environmental Technology, reporta o Tecmundo. Os pesquisadores desenvolveram um reator anaeróbico de baixo custo que “funciona com um biofilme bacteriano aderido a uma espuma de poliuretano”. O biofilme inicia um processo em que bactérias criam uma espécie de película sobre uma espuma de poliuretano.

Patologia do Concreto e Técnica de Recuperação

Dia 28/06/2022 às  19h – 20h

Paletsrante: Engenheiro Civil e Professor - José Roberto Romero

Local: AEAARP

Inscrição:  Acesse aqui

O Brasil precisará qualificar 9,6 milhões de pessoas até 2025 para atender necessidades projetadas pelas indústrias, de forma a repor inativos, atualizar funcionários ou preencher as novas vagas programadas para o setor. É o que prevê o Mapa do Trabalho Industrial 2022-2025, divulgado hoje (16) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Deste total, 2 milhões precisarão de qualificação visando à formação inicial para a reposição de inativos ou para o preenchimento de novas vagas. Os 7,6 milhões restantes serão via formação continuada para trabalhadores que precisam se atualizar para exercer funções.

Segundo a CNI, “isso significa que 79% da necessidade de formação nos próximos quatro anos serão em aperfeiçoamento”.

Cadeia produtiva

De acordo com a entidade, essas projeções têm por base a necessidade de uso de novas tecnologias e mudanças na cadeia produtiva que tanto influenciam – e transformam – o mercado de trabalho. Assim sendo, acrescenta a CNI, cada vez mais o Brasil precisará investir em aperfeiçoamento e requalificação.

O levantamento hoje divulgado, feito pelo Observatório Nacional da Indústria, tem por finalidade identificar demandas futuras por mão de obra e orientar a formação profissional de base industrial no país.

As áreas com maior demanda por formação são transversais (que permitem ao profissional atuar em diferentes áreas, como técnico em segurança do trabalho, técnico de apoio em pesquisa e desenvolvimento e profissionais da metrologia, por exemplo), metal mecânica, construção, logística e transporte, e alimentos e bebidas.

Edição: Kleber Sampaio

map-markercross